Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Neptuno das Apostas

Casas de Aposta, Placard, Apostas Online, dicas e novidades.

Neptuno das Apostas

Casas de Aposta, Placard, Apostas Online, dicas e novidades.

Crepúsculo do Homem - Ensaio de uma Crítica da Pós-Modernidade (I)

Aquilo que mais se destaca na pós-modernidade é a completa ausência de objetivo para a sociedade: não existe um rumo definido nem um destino. A civilização ocidental encontra-se à deriva num oceano tempestuoso de experiências e informações, sem uma costa à vista. A incapacidade de resistir a estímulos está mais presente hoje do que alguma vez esteve; os pós-modernos são mais fragmentados, mais dispersos, mais fracos do que os seus antepassados. O que é ser pós-moderno? É ser incapaz de selecionar entre as inúmeras possibilidades que o nosso tempo oferece as poucas que criem um agir organizado e determinado. Os homens estão no mundo como espectadores, não como atores.

 

Crepúsculo do Homem (I)

 

Os pós-modernos engolem tudo e mais alguma coisa, e quem paga a fatura é o seu sistema digestivo; isto é, tudo o que os rodeia é absorvido, e desse modo a sua atenção fica fragmentada: entram em degenerescência, dado que falta um operar no mundo. O excesso de informação presente na atualidade tem como consequência a apatia, a noção de que nada possui valor; no momento em que tudo se move à velocidade da luz, os pós-modernos não conseguem reconhecer importância em coisa alguma. Tudo está na moda e ao mesmo tempo nada está na moda: no momento em que se pretende seguir um determinado caminho, já essa rota se desloca para o antigo. A esquizofrenia é rainha e senhora nas nossas cidades, que já são apenas um conjunto desorganizado de betão e loucura.

 

A ausência de objetivo na civilização ocidental implica uma enorme diminuição de força psicológica, cuja repercussão é um profundo mal-estar. Perdeu-se a crença no valor do homem, isto numa época em que Deus já não está presente na nossa perceção do mundo; retirou-se o teto à existência, ao mesmo tempo em que já não se acredita no homem como arquiteto do sentido e propósito da vida. A fraqueza psicológica dos pós-modernos em suportar a pressão da existência é a causa do colapso dos horizontes, das esperanças no futuro. Qual a origem desta fraqueza?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D